Índices de demência tem queda entre americanos (EUA)

Boas notícias para idosos da América do Norte: as taxas de Alzheimer e outras formas de demência diminuíram significativamente ao longo da última década, segundo um novo estudo.

alz

A análise realizada contou com cerca de 1.400 homens e mulheres estudados, que possuem idade acima de 70 anos. Essa pesquisa revelou que o número de casos de demência caiu de 73 entre os nascidos antes de 1920 para apenas 3 entre os nascidos depois de 1929.

Os motivos do declínio não são claros, disseram os pesquisadores. Mas um fator se destaca: as taxas de acidente vascular cerebral e ataque cardíaco diminuíram nas gerações recentes. A taxa de diabetes, no entanto, aumentou. “Pode ser que estejamos vendo os benefícios do sucesso na prevenção de doenças cardiovasculares”, disse a pesquisadora chefe Carol Derby, pesquisadora da Faculdade de Medicina Albert Einstein, na cidade de Nova York.

No entanto, isso não parece explicar todas as reduções nas taxas de demência. Embora a taxa de demência tenha diminuído, o número atual de pessoas com demência deve aumentar drasticamente comparado com a população por causa dos nascidos durante o “baby boom” que chegam à idade avançada, disse Derby.

“Se as mudanças na taxa de demência vão compensar essa mudança de população ainda precisa ser avaliado”, disse Carol Derby. Em todo o mundo, mais de 47 milhões de pessoas sofrem de demência e 7 milhões de novos casos se desenvolvem a cada ano, segundo os pesquisadores. O número de casos de demência deve duplicar a cada 20 anos, e chegar a 115 milhões até 2050.

O número de pessoas que sofrem de doença de Alzheimer, a causa mais comum de demência, deverá subir para 106 milhões até 2050, disseram os pesquisadores. “Embora as taxas possam estar baixas, o problema está longe de acabar”, disse James Hendrix, diretor de iniciativas científicas globais da Alzheimer’s Association.

A demência, um comprometimento das funções cerebrais por problemas de memória e mudanças de personalidade, ainda é uma das condições crônicas mais severas , com grande impacto em pacientes e famílias. Hendrix acredita que viver um estilo de vida saudável pode ajudar a prevenir a demência. “Na verdade, um estudo recente revelou que, se as pessoas exerciam, uma dieta saudável, pararam de fumar e mantiveram condições médicas crônicas, como a diabetes sob controle , 35 por cento dos casos de demência em todo o mundo poderiam ser prevenidos”, disse ele.
“É sobre a saúde do cérebro para toda a sua vida”, disse Hendrix, que não estava envolvido com o estudo. O relatório foi publicado em 5 de setembro na revista JAMA Neurology.

Para o estudo, Derby e seus colegas analisaram a taxa de demência em quase 1.400 homens e mulheres que participaram do Einstein Aging Study de 1993 a 2015. Quando os participantes entraram no estudo, tinham 70 anos ou mais e não sofriam demência. Ao longo do estudo, a equipe de Derby descobriu que a taxa de demência caiu de forma constante.

Entre as 369 pessoas nascidas antes de 1920, 73 desenvolveram demência, esse número diminuiu para 43 dos 285 nascidos entre 1920 e 1924. Os casos de demência caíram para 31 para os 344 nascidos entre 1925 e 1929 e para 3 para os 350 nascidos depois de 1929.

“Isso não é inesperado”, disse o Dr. Sam Gandy, diretor do Center for Cognitive Health no Mount Sinai Hospital, na cidade de Nova York. “Tendências semelhantes foram documentadas na Europa”.

Gandy, que não estava envolvido com o estudo, acredita que grande parte do declínio na taxa de demência é o resultado da diminuição das taxas de AVC. “À medida que a saúde cardiovascular melhorou, a incidência de acidente vascular cerebral caiu”, disse ele. A saúde dos vasos sanguíneos no cérebro contribui para o risco de demência, disse Gandy. “Por isso, seria previsível que, ao longo do tempo, uma redução constante do risco de acidente vascular cerebral seria um precursor da redução do risco de demência”, afirmou.

Embora essa a taxa de demência tenha diminuído consideravelmente, o número total de casos provavelmente aumentará, disse Gandy. “Os nascidos durante o baby boom atingem o envelhecimento, o número total de pacientes com demência continuará a aumentar, mesmo que os números de prevalência tenham a tendência de diminuir ligeiramente”, disse ele.

Fonte: HealthDay – Medicine Net
http://www.medicinenet.com/script/main/art.asp?articlekey=206600&ecd=mnl_sen_090717

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *