As Páscoas e a Pandemia

Prezados amigos,

As comemorações das Páscoas judaica (Pessach) e cristã, tem início nessa semana e coincidem no calendário de 2020.

Embora com características específicas, elas tem um significado e conteúdos comuns: a páscoa cristã tem um significado de nascimento e renascimento enquanto a páscoa judaica tem um sentido de liberdade, se contrapondo ao jugo, a opressão e a escravidão que o povo hebreu viveu no regime dos faraós do Egito.

Na noite de Pessach as famílias habitualmente se reúnem na cerimônia do jantar, quando se lê a hagadah, o livro que relata essa história de luta contra a submissão, tirania e violência em busca da liberdade, vivida por nossos antepassados.

O tempo passa e a história se repete com nuances e formas diferentes, mas sempre com um conteúdo e significados parecidos. Para conseguir a tão almejada liberdade os judeus que eram escravos no Egito foram beneficiados pela Justiça Divina que castigou seus opressores com 10 pragas. Essas pragas serviram também como o grande castigo pela escravidão, tortura e campanha de genocídio perpetrada pelos egípcios contra o Povo Judeu e que são relatadas na Torah e na Hagadá não como celebração da Justiça Divina, mas como fonte de lições espirituais.

É bem possível que daqui há muitos anos alguns historiadores relatem a praga que o mundo atual está recebendo, a Pandemia do Covid-19 também como um castigo divino. Um castigo em consequência da incoerência do ser humano que maltrata a natureza, promove destruições e matanças deixando milhares de pessoas desabrigadas, esfomeadas, refugiadas,sem um teto e vítimas de uma acentuada desigualdade social. Esses tetos que os judeus de todo o mundo sempre se reuniram nas celebrações dessa noite do Seder de Pessach (o jantar da noite da Páscoa Judaica) que significa “passagem”, e que nos dias atuais onde prevalece o distanciamento social será substituído pela reunião via internet. Não teremos nesse ano, os tradicionais encontros e abraços presenciais dos netos com os avós, tios e toda a família, o jantar com os saborosos e tradicionais pratos que são característicos de comemorações de tantas gerações. Aliás, mesmo não sendo um religioso praticante, apenas tradicionalista, relato uma citação bíblica em Exodo 12:30, que simboliza como os fatos se repetem na história da humanidade: “E o povo hebreu obedeceu a Moisés. Ficaram nas suas casas, e as pragas passaram e tudo ficou bem”.

Tenho a plena convicção que após essa pandemia o mundo nunca mais será igual. Acho que seremos melhores. Numa situação em que há um desequilíbrio e crise em todo o mundo, a maioria das pessoas tem se preocupado quase que exclusivamente com a sua saúde e dos seus entes queridos e amigos. As perdas econômicas e financeiras que quase não tem tido paralelismo na história recente, é colocada num segundo plano. Uma crise que atingiu todo o mundo de uma forma até certo ponto democrática pois o vírus não discriminou as pessoas, atingindo igualmente todas as classes sociais Os profissionais de saúde nunca foram tão valorizados. Um numero enorme desses profissionais, médicos, enfermeiros, fisioterapeutas e outros tem se colocado na frente de batalha e muitos tem sido vitimados pelo contagio do virus e um numero significativo tem perdido suas vidas. Mas nunca, jamais, renegaram sua vocação e responsabilidade profissional. Aqueles que tem sido habitualmente considerados simples empregados e “valores de mercado” tem se dedicado heroicamente para salvar vidas,sendo reconhecidos e valorizados em todo o mundo. Onde estão agora aqueles indivíduos que com uma ignorância e arrogância tem considerado a categoria dos médicos como: “sal: branco, barato e que tem em todo lugar”?

Esse momento de distanciamento social e de recolhimento nos propicia a reavaliação de nossas atitudes e valores.

Nessa época de em que predomina a introspecção, o recolhimento e o medo de uma ameaça ainda desconhecida pela medicina, somos obrigados a rever e reavaliar nosso valores sempre vislumbrando um mundo melhor.

Um sonho que sempre almejamos de transformar esse mundo aético para um em que haja uma autêntica ética, com respeito a todos os seres e povos que habitam nosso planeta, independente de sua raça, origem ou convicções pessoais. Valorizando a vida, em vida… E que a existência solitária seja transformada numa vivência solidária de todos os povos do mundo.

Desejamos uma Feliz Pascoa, um Feliz Pessach para você, sua família e para todos.

Elias Knobel e família