Agências federais de saúde e a escassez de medicamentos

Agências federais de saúde e a escassez de medicamentos

Prezados amigos.

Temos observado com certa frequência, desde que exercemos a nossa profissão de médico, a repentina suspensão da fabricação de medicamentos ou de sua distribuição, em nosso meio. Muitos desses remédios são utilizados cronicamente por muitos pacientes. Grande parte deles, são baratos e muitas vezes parece que os fabricantes não encontram incentivos para a sua produção. Nessas ocasiões os pacientes recorrem a nossa orientação para alternativas. Infelizmente nem sempre encontramos essa opção, ou quando achamos os preços de medicamentos equivalentes são bem mais elevados.

A esse respeito publicamos o resumo de um artigo, que relata essa problemática nos EUA.

Elias Knobel

19-11-2019

Uma força-tarefa interinstitucional federal sugeriu medidas para lidar com o recente aumento da escassez de drogas nos EUA.

Para seu novo relatório, a força-tarefa estudou 163 medicamentos que estavam em falta entre 2013 e 2017. É mais provável que esses medicamentos tenham tido preços mais baixos (preço médio por unidade, US $ 9), injetáveis ​​mais antigos e esterilizados, em comparação com os medicamentos que não faltaram. Pelo menos 10 dos medicamentos que faltaram, tiveram uma duração de 5 anos ou mais.

Algumas causas profundas dessa escassez incluem a falta de incentivos financeiros para as empresas fabricarem medicamentos menos rentáveis, bem como obstáculos logísticos e regulatórios que dificultam a recuperação após uma interrupção no fornecimento.

A força-tarefa recomenda:

  • ampliar a conscientização sobre os danos da escassez de drogas e sobre as práticas de contratação do setor privado que podem levar à escassez;
  • criar um sistema de classificação para incentivar as empresas farmacêuticas a gastar dinheiro em sistemas que aumentam sua confiabilidade;
  • promoção de contratos sustentáveis ​​do setor privado, fornecendo incentivos financeiros e recompensando as empresas com uma gestão eficiente da qualidade.

Os autores do relatório concluem: “Dada a escala potencial de impactos da escassez de medicamentos e o fato de que esses impactos têm sido subestimados continuamente, é provável que a escassez de drogas continue a persistir, sem grandes mudanças neste mercado

Fonte: Physician’s First Watch, October 30, 2019. David G. Fairchild, MD, MPH, Editor-Chefe. Autor Kelly Young