Uso prolongado de smartphone e obesidade

Uso prolongado de smartphone e obesidade

Os smartphones tornaram-se uma parte inerente da vida tornando-se cada vez mais uma fonte primária de entretenimento, particularmente entre os jovens. Porém, eles também levam a uma diminuição na atividade física.

Um resumo de pôster, apresentado em 24 de julho na Conferência do American College of Cardiology (ACC) em 2019 na América Latina, revelou que os estudantes universitários que usavam seus smartphones cinco ou mais horas por dia tinham um aumento de 43% no risco de obesidade.

Os pesquisadores analisaram 1.060 alunos da Faculdade de Ciências da Saúde da Universidade Simón Bolívar de junho a dezembro de 2018. O grupo de estudo foi composto por 700 mulheres e 360 homens, com idades médias de 19 e 20 anos, respectivamente. Os homens participantes tinham 36,1 por cento de probabilidade de estar acima do peso e 42,6 por cento de ser obeso. As mulheres, por outro lado, tinham 63,9% de probabilidade de estar acima do peso e 57,4% de serem obesas.

Os resultados mostraram que 26% dos indivíduos com excesso de peso e 4,6% que eram obesos gastaram mais de cinco horas usando o dispositivo. Além disso, aqueles que passaram mais de cinco horas por dia eram mais propensos a ter outros hábitos de vida que aumentam o risco de doenças cardiovasculares, como comer fast food, beber bebidas açucaradas e ter atividade física diminuída.

“Os resultados deste estudo nos permitem destacar uma das principais causas de obesidade física, um fator de risco para doenças cardiovasculares”, disse Mantilla-Morrón, especialista em cirurgia cardíaca e reabilitação vascular na Faculdade de Ciências da Saúde da Universidade Simón Bolívar, Barranquila, Colômbia, e principal autor do estudo. “Nós também determinamos que a quantidade de tempo em que uma pessoa é exposta ao uso de tecnologias, especificamente uso prolongado de telefones celulares, está associada ao desenvolvimento da obesidade”

Fonte: ACC’s 2019 Latin America Conference in Cartagena, Colombia,