Seu estado civil pode afetar seu coração?

Seu estado civil pode afetar seu coração?

Seu gênero e estado civil podem informar pistas sobre seu risco de morrer de doenças cardíacas, segundo sugere um grande estudo britânico.

Constatou-se que homens viúvos e divorciados têm chances significativamente maiores de morte por doença cardíaca do que as mulheres do mesmo estado civil. Mas os homens solteiros são mais propensos a sobreviver à insuficiência cardíaca do que as mulheres solteiras.

Em comparação com as viúvas, os homens cujos cônjuges morrem têm um risco 11% maior de morte após um ataque cardíaco. Viúvos com insuficiência cardíaca também são 10% mais propensos a morrer; e viúvos com fibrilação atrial, um ritmo cardíaco anormal, são 13% mais propensos a morrer, segundo o estudo.

Da mesma forma, homens divorciados com fibrilação atrial têm um risco 14% maior de morte do que mulheres divorciadas. Mesmo entre as pessoas casadas com fibrilação atrial, esse risco foi 6% maior para os homens.

Mas homens solteiros com insuficiência cardíaca na verdade tiveram um risco 13% menor de morte em comparação com mulheres solteiras.

“Essas descobertas sugerem que homens viúvos ou divorciados, e mulheres solteiras, podem precisar de apoio para ajudar a minimizar seu risco individual de morrer dessas condições”, disse Metin Avkiran, diretor associado da Fundação Britânica do Coração

Os resultados vêm de uma análise do estado civil e das taxas de mortalidade de mais de 1,8 milhão de pessoas tratadas por doenças cardíacas no norte da Inglaterra entre 2000 e 2014.

O autor principal Dr. Rahul Potluri é professor de cardiologia na Aston Medical School em Birmingham. Ele disse que quando se trata de doenças cardíacas, se concentrar apenas no problema médico de um paciente não é suficiente.

“É importante analisarmos a prestação de cuidados holísticos e explorar outros fatores, como sua rede de apoio, que também pode ter um grande impacto na saúde de uma pessoa”, disse Potluri no comunicado à imprensa.

Ele e seus colegas discutiram suas descobertas em uma reunião da British Cardiovascular Society, em Manchester. A pesquisa apresentada em reuniões é tipicamente considerada preliminar até ser publicada em um periódico revisado por pares.

HealthDay News – FONTE: British Heart Foundation, comunicado de imprensa, 04 de junho de 2019