Ataque cardíaco ou  Síndrome do  coração partido?

Ataque cardíaco ou  Síndrome do  coração partido?

Muitas pessoas já sentiram um desconforto no peito decorrente  do  “coração partido”. Mas as  sensações dos corações partidos advindos de canções e poesia também têm uma contrapartida física. Conhecida clinicamente como cardiomiopatia do estresse, a condição também é referida pelo termo menos clínico “síndrome do coração partido”.

A cardiomiopatia do estresse é uma deficiência  súbita e grave  no músculo cardíaco causada por intenso estresse emocional ou físico. No lado emocional, um dos gatilhos mais comuns é a morte inesperada de um ente querido. Às vezes, porém, o estresse emocional é intenso, mas está relacionado a uma situação muito menos grave. Pesquisadores relataram casos em que pessoas sofreram de cardiomiopatia do estresse em reação a um compromisso de falar em público e até mesmo uma festa surpresa. Os desencadeantes físicos podem incluir um acidente de carro, um ataque de asma ou uma convulsão.

O diagnóstico

Os sintomas da cardiomiopatia do estresse são semelhantes aos de um ataque cardíaco: dor no peito, tontura, dificuldade para respirar e fraqueza. Alterações semelhantes podem ser observadas em um eletrocardiograma, bem como nos resultados de um exame de sangue realizado quando os pacientes se apresentam na sala de emergência com suspeita de um   ataque cardíaco.

No entanto, ao contrário de um ataque cardíaco, a síndrome do coração partido não envolve uma obstrução do fluxo sanguíneo nas artérias coronárias – não há coágulo sanguíneo obstruindo . Em vez disso, uma porção da parede da câmara principal do coração – o ventrículo esquerdo, responsável pelo bombeamento de sangue para o corpo – é lesada  e se expande como um balão.

O diagnóstico envolve a exclusão de um ataque cardíaco causado por doença arterial coronária que é feito com um angiograma coronário invasivo padrão ou uma angiografia coronariana por tomografia computadorizada . Uma pessoa com um angiograma coronário normal que tenha uma lesão cardíaca aguda (como mostrado em outros testes) e sofreu um estresse extremo recente provavelmente tem cardiomiopatia por estresse.

Os sintomas da síndrome do coração partido podem começar alguns minutos depois de experimentar uma emoção extrema. E é a intensidade do estressor – pode ser tristeza    ou felicidade extrema  – que desencadeia a condição. Um estudo publicado no European Heart Journal em 2016 examinou dados de 25 centros médicos nos Estados Unidos e na Europa e constatou  que 4% dos eventos associados à cardiomiopatia do estresse os pacientes eram felizes, comemorando um casamento ou o nascimento de um neto (nesses caso também denominado de  “síndrome do coração feliz”).

 

Os fatores de risco

A cardiomiopatia do estresse parece ser mais comum do que se pensava. A condição é responsável por cerca de 1% a 2% dos pacientes que procuram atendimento médico por sintomas que eles acreditam ser um ataque cardíaco. Os pesquisadores também estão aprendendo mais sobre quem está em risco: as mulheres em pós-menopausa respondem pela maioria dos casos de síndrome do coração partido – cerca de 90%, de acordo com um estudo publicado em 2015 no New England Journal of Medicine (NEJM), que incluiu 1.750 pacientes.

Nas mulheres, a cardiomiopatia do estresse está frequentemente relacionada ao estresse psicológico, ou não há causa aparente, enquanto nos homens é mais provável que seja desencadeada pelo estresse físico. Especialistas só podem especular sobre o porquê. As células musculares cardíacas masculinas têm mais receptores para os hormônios do estresse; Pode levar mais tempo para que esse número maior de receptores fique saturado pelos hormônios do estresse, protegendo assim os corações dos homens de serem sobrecarregados.

Além disso, certos fatores – incluindo depressão, transtornos de ansiedade, tabagismo e outras condições de saúde – podem aumentar o risco de uma pessoa. Os cientistas ainda estão tentando entender o que torna certas pessoas suscetíveis, e é provável que tanto a genética quanto o meio ambiente sejam responsáveis.

O estudo do NEJM, por exemplo, revelou que uma história de distúrbios neurológicos ou psiquiátricos era   duas vezes mais comum em pacientes com cardiomiopatia do estresse em comparação com aqueles que sofreram um ataque cardíaco clássico .

Outro estudo menor revelou  que a maioria das mulheres com história de cardiomiopatia do estresse tinha baixos níveis de vitamina D, embora não esteja claro se isso foi responsável pela doença. A vitamina D ajuda a regular os níveis de cálcio das células do corpo, e há evidências de que a atividade do cálcio dentro das células desempenha um papel na cardiomiopatia do estresse. O estrogênio também ajuda a regular o cálcio, e outra teoria é que a deficiência de estrogênio em algumas mulheres mais velhas pode torná-las mais vulneráveis.

Ainda outro estudo constatou que de 25 mulheres com síndrome do coração partido, 44 ​​por cento tinham uma história de enxaqueca, enquanto apenas isso ocorreu em apenas 16 por cento das mulheres que sofreram um ataque cardíaco clássico

 

O prognóstico

Embora não haja recomendações formais, a síndrome do coração partido é frequentemente tratada com alguns dos mesmos medicamentos que são normalmente usados ​​para insuficiência cardíaca, incluindo diuréticos, betabloqueadores e inibidores da ECA.

Já foi observado que os pacientes com síndrome do coração partido se recuperaram completamente dentro de dias ou semanas. Mas agora sabemos melhor  que a condição pode ser fatal devido a ocorrência de  anormalidades do ritmo cardíaco potencialmente letais (arritmias), juntamente com uma queda na pressão arterial e insuficiência cardíaca congestiva. Nos homens, a condição é mais provável de estar associada à parada cardíaca.

No estudo do NEJM, as pessoas com síndrome do coração partido tiveram  um desempenho  do ventrículo esquerdo significativamente pior índices  similares de choque cardiogênico e morte, em comparação com pacientes que apresentavam ataques cardíacos ou angina instável. Os eventos adversos mais comuns naqueles com síndrome do coração partido foram acidente vascular cerebral (AVC), ataques isquêmicos transitórios (ou mini AVCs) e morte, especialmente em homens.

Infelizmente, ainda é bastante desconhecida  essa  condição, incluindo a frequência com que ocorre após um estressor emocional ou físico, bem como o prognóstico a longo prazo. Enquanto isso, o melhor conselho a seguir é cuidar do seu coração e reconhecer os sinais de um ataque cardíaco, que pode ser diferente em mulheres do que em homens.

 

FONTE: UC Berkeley School of Public Health – Health and Wellness Alerts by E-mail

https://www.healthandwellnessalerts.berkeley.edu/alerts/heart_health/Is-It-a-Heart-Attack-or-a-Broken-Heart_8156-1.html