O que é fibrilação atrial?

O que é fibrilação atrial?

A fibrilação atrial (FA) é uma anormalidade do ritmo cardíaco causada por um problema no sistema elétrico do coração. Normalmente, o estímulo elétrico do coração tem início nas câmaras cardíacas superiores (átrios) indo em direção das câmaras cardíacas inferiores (ventrículos), acarretando a contração do músculo cardíaco. Na fibrilação atrial, o estímulo elétrico é caótico, fazendo com que os batimentos cardíacos se tornem irregulares.

 

Fibrilação Atrial vs. Ritmo Cardíaco Normal

Quando o coração bate com um ritmo normal, o estímulo elétrico é direcionado da parte superior para a parte inferior do coração, fazendo com que o músculo cardíaco se contraia e impulsione o sangue para a artéria aorta e daí para todo o corpo. Na fibrilação atrial, o estímulo elétrico na região dos átrios é caótico e as câmaras inferiores do coração se contraem irregularmente.

Sinais de alerta:

Quando uma pessoa apresenta um episódio de fibrilação atrial, ela pode sentir uma série de sintomas.

Tais como:

  • Pulso irregular
    • A fibrilação atrial acarreta uma frequência cardíaca irregular e em geral elevada.
    • Nesses casos, pode-se suspeitar que é uma arritmia de início recente, pois nesses casos o pulso é acelerado e irregular.
    • Quando a fibrilação atrial é recente e mal controlada por medicamentos, muitas vezes o coração permanece acelerado, como já foi dito.
    • Esta frequência cardíaca rápida e anormal pode ser perigosa se não for tratada e controlada rapidamente.
  • Outros sintomas comuns na fibrilação atrial aguda:
    • Tontura
    • Sensação de palpitações
    • Falta de ar
    • Dor no peito (se existir doença coronária)
    • Fadiga ou intolerância ao exercício

Fibrilação Atrial e Acidente Vascular Cerebral

A fibrilação atrial (FA) é um fator de risco para acidente vascular cerebral (AVC). Cerca de 15 por cento de todas as pessoas que têm AVC têm FA. Devido ao fluxo irregular e caótico do sangue através do coração, pequenos coágulos podem se formar nas câmaras cardíacas. Esses coágulos podem ser transportados pela corrente sanguínea até as artérias do cérebro, causando um entupimento (derrame). É por isso que as pessoas com FA crônica geralmente usam medicamentos anticoagulantes.

Quando procurar serviço de emergência

Quando o paciente suspeita que está tendo fibrilação atrial, associada a dor no peito e a fraqueza, o pulso estará acelerado (acima de 100 batimentos por minuto) ou poderá haver algum sinal de AVC. Nesses casos é indispensável procurar o serviço de emergência.

Qual é a causa da fibrilação atrial?

A fibrilação atrial é uma arritmia muito comum e os principais fatores de risco incluem:

  • Pressão arterial elevada e mal controlada (hipertensão arterial)
  • Doença de válvula cardíaca
  • Doença arterial coronariana
  • Abuso de álcool
  • Obesidade
  • Apneia do sono
  • Distúrbios da tireoide
  • etc

Outros fatores de risco

Existem pacientes que têm histórico familiar de fibrilação atrial. Esse antecedente pode ser um importante fator de risco para o desenvolvimento dessa arritmia, nesses pacientes. Além do mais, a fibrilação atrial vai aumentando progressivamente com a idade, chegando a ocorrer em cerca de 10 a 15% com mais de 80 anos.

Existem alguns fatores de risco para fibrilação atrial que podem estar sob controle do paciente, tais como:

  • Manter um estilo de vida saudável
  • Controlar peso
  • Abolir o fumo
  • Consumo moderado de bebidas alcóolicas
  • Drogas ilegais
  • Alguns tipos de medicamento com propriedades vasoativas e estimulantes.
  • etc

Cirurgia Cardíaca pode ser um fator de risco

Um dos riscos de se realizar uma cirurgia cardíaca com circulação extracorpórea ou cirurgia de revascularização do miocárdio é a ocorrência de fibrilação atrial no período pós-operatório.

O cardiologista sempre está atento e preocupado adotando medidas preventivas para evitar a ocorrência dessa arritmia.

Fonte: OneHealth

https://www.onhealth.com/content/1/atrial_fibrillation_afib