A pressão arterial em 130 é a nova diretriz.

A pressão arterial em 130 é a nova diretriz.

De acordo com a primeira atualização das diretrizes sobre hipertensão arterial feita em 14 anos.

Os principais especialistas em Cardiologia revisaram as diretrizes para a pressão arterial elevada no dia 12/11/2017. Uma mudança que aumentará acentuadamente o número de adultos dos EUA considerados hipertensos, na esperança de que eles e seus médicos abordem essa condição mortal mais precocemente

A American Heart Association, o American College of Cardiology e nove outros grupos redefiniram a pressão arterial elevada como uma leitura de 130 sobre 80, contra 140 por 90 considerada. anteriormente. A mudança, a primeira a ser feita em 14 anos, significa que 46% dos adultos dos EUA, muitos deles com menos de 45 anos, agora serão considerados hipertensos. De acordo com a orientação anterior, 32% dos adultos dos EUA apresentavam hipertensão arterial.

“Estamos reconhecendo que os níveis de pressão arterial que acreditávamos no passado serem normais (a chamada pré-hipertensão”) colocavam o paciente em risco significativo de doença cardíaca, e morte”, disse Robert M. Carey, co-presidente do grupo que responsável pela edição do novo relatório. “O risco não mudou. O que mudou é o nosso reconhecimento do risco “.

Mas os autores do relatório acreditam que poucas pessoas que se enquadram na nova categoria de hipertensão precisarão de medicação. Em vez disso, eles esperam que muitos encontrados nos estágios iniciais dessa condição de hipertensão serão capazes de abordá-la através de mudanças de estilo de vida, como perder peso, melhorar sua dieta, fazer mais exercícios, consumir menos álcool e sódio(sal) e diminuir o estresse a que são submetidos.

As diretrizes devem influenciar na prática clínica, a maioria dos prestadores de cuidados de saúde que esperam seguir essas recomendações. Além de diminuir a amplitude da definição de pressão arterial elevada, o novo relatório elimina a antiga categoria de “pré-hipertensão”, que foi definida como uma leitura superior (sistólica) de 120 a 139 ou um número inferior (diastólico) entre 80 e 89.

As novas diretrizes criam categorias, incluindo “elevadas”, “Hipertensão de Fase 1 e 2” e “crise de hipertensão”, cada uma delas caracterizada por várias leituras de pressão arterial. A pressão arterial normal ainda será considerada 120 em 80.

A leitura sistólica refere-se à pressão quando o coração se contrai e envia sangue através das artérias. A pressão diastólica é medida quando o coração relaxa os músculos entre os batimentos cardíacos

As diretrizes sugerem que os médicos recomendam mudanças de estilo de vida para pacientes que apresentaram pressão arterial elevada. Aqueles com hipertensão no estágio 1 devem ser avaliados pelo risco de doença cardíaca ou acidente vascular cerebral em 10 anos, nos parâmetros de uma matriz amplamente utilizada para a saúde cardiovascular. Aqueles com mais de 10% de chance, ou outros fatores complicadores, devem usar a medicação.

“Um fator importante dessas novas diretrizes é uma forte ênfase nas mudanças de estilo de vida como a primeira linha de terapia. Existe a oportunidade de reduzir o risco sem necessariamente usar medicamentos “, disse Richard Chazal, o ex-presidente do American College of Cardiology.

Os autores do relatório esperam que muitos adultos com menos de 45 anos se encontrem incluídos no novo limiar. A pontuação mais baixa deverá triplicar o número de homens mais jovens considerados hipertensos e o dobro do número de mulheres mais jovens com pressão arterial elevada.

Os autores do relatório também desejam que pessoas que já estão em tratamento tentem, sob orientação de seu médico, atingir o novo objetivo nos níveis de pressão arterial.

A pressão arterial elevada é a principal causa de morte em todo o mundo e a segunda causa de morte evitável nos Estados Unidos, após o tabagismo. A hipertensão é a causadora de doenças cardiovasculares, acidentes vasculares cerebrais, doença renal grave e outras doenças que matam milhões de pessoas a cada ano. A pressão arterial é afetada por uma grande variedade de fatores, incluindo genética, idade, dieta, prática de exercício, estresse e outras doenças, como diabetes. Os homens são mais propensos a ter pressão alta do que as mulheres e os negros são mais propensos do que os brancos. Muitas pessoas não sabem que têm pressão arterial elevada devido a ausência de sintomas, o que é muito comum.

Grande parte dos dados para apoiar a atualização veio do estudo Systolic Blood Pressure Intervention ou estudo SPRINT, em larga escala com mais de 9 mil pessoas, patrocinadas pelo National Heart, Lung and Blood Institute. Quando os resultados foram apresentados pela primeira vez em 2015, eles surpreenderam muitos médicos em relação aos critérios de controle da pressão arterial.

O estudo mostrou que aumentar o nível de pressão arterial abaixo de 120 em vez dos recomendados de 140 a 150 poderia reduzir o risco de ataque cardíaco e acidente vascular cerebral. Embora essa pesquisa inclua apenas pessoas de 50 anos ou mais e com alto risco de problemas cardíacos, estudos subsequentes demonstraram que esse benefício parece se estender a pessoas mais jovens também, disse Chazal, que é diretor médico do Lee Memorial Health System em Fort Myers, Fla.

Thomas R. Frieden, ex-diretor dos U.S. Centers for Diseases Control and Prevention, que agora administra um programa de saúde global que se concentra em doenças cardíacas e acidentes vasculares cerebrais, disse: as “grandes notícias sobre essa diretriz é que deve terminar para sempre qualquer debate sobre se as pessoas devem ser tratadas com medicamentos uma vez que eles atingiram 140/90”. Ele disse que até agora havia “uma perspectiva de que não é um risco tão grande, mas isso é errado “.

“O fato é: quanto menor, melhor”, disse Frieden, “Mesmo o que considerávamos como hipertensão leve anteriormente, é uma doença que pode ser fatal “.

Chamando a hipertensão arterial de “o problema de saúde evitável mais considerado do mundo”, Frieden disse que, ironicamente, uma das razões pelas quais o tratamento tem sido lento em algumas partes do mundo é porque os medicamentos não são tão lucrativos como muitos outros. As quatro principais classes de medicamentos para pressão arterial têm versões genéricas e podem ser relativamente bem baratas. Outra barreira é o que Frieden, que agora é presidente e CEO da Resolve to Save Lives, chamou de “inércia terapêutica”, é a relutância de alguns médicos e pacientes de não receber a medicação especifica quando uma pessoa com pressão alta parece ser de outra forma saudável e sem sintomas

“Não é fácil usar medicamentos para o resto de sua vida numa condição em que você não se sente doente”, explicou. “Há uma razão pela qual hipertensão é conhecida como o assassino silencioso…”.

Há quatro anos, os mesmos dois grupos mudaram suas recomendações para a forma como os médicos devem avaliar o risco cardiovascular, afastando-se de um foco em lipoproteínas de baixa densidade – o chamado colesterol ruim – para uma consideração mais bem-sucedida de fatores como idade, peso, tabagismo e outros fatores.

Nota: É importante ressaltar que o diagnóstico de hipertensão arterial tem critérios bem estabelecidos, é deve sempre ser feito por médico habilitado. O mesmo é valido para o tratamento que deve ter um seguimento médico rigoroso e criterioso

 

Fonte: Washington Post

https://www.washingtonpost.com/news/to-your-health/wp/2017/11/13/blood-pressure-of-130-is-the-new-high-according-to-first-update-of-guidelines-in-14-years

 

 

Comentários do Facebook