Doenças Cardíacas nas Mulheres

Doenças Cardíacas nas Mulheres

Qual é o risco de ataques cardíacos nas mulheres?

A doença de artéria coronária (CAD) e ataques cardíacos são erroneamente tidos como doenças principalmente masculinas. Embora seja verdade que a incidência da CAD entre as mulheres seja menor antes da menopausa, o risco da CAD aumenta nas mulheres após a menopausa. Com 75 anos, o risco da mulher em desenvolver a CAD se iguala ao masculino. A doença da artéria coronária é  a principal causa de morte e deficiência entre as mulheres após a menopausa. De fato, uma mulher de 50 anos tem 46% de risco de desenvolver a CAD e 31% de risco de morrer em decorrência da doença. Fazendo uma comparação,  sua probabilidade de contrair e falecer de câncer de mama é de 10% e 3% respectivamente.

Os riscos de desenvolver a CAD são os mesmos em homens e mulheres; são o aumento do colesterol no sangue, a alta pressão sanguínea, o fumo, o diabetes e um histórico familiar de doença coronária em idade jovem.

 

O fumo

Mesmo o hábito de fumar cigarros “light” aumenta o risco da CAD. Em estudo, mulheres de meia idade que fumam entre 10 e 14 cigarros por dia tiveram um aumento duas vezes maior no número de derrames (causado pela arteriosclerose das artérias para o cérebro), enquanto aquelas que fumavam mais de 25 cigarros por dia tiveram o risco de sofrer derrames aumentado para 3,7 vezes a mais em comparação às mulheres não fumantes. Além disso, a combinação do cigarro com pílulas anticoncepcionais aumenta o risco de ataques cardíacos ainda mais, especialmente em mulheres acima dos 35 anos.

Parar de fumar imediatamente inicia o processo de redução do risco de ataques cardíacos.

Esse risco diminui gradualmente até chegar aos níveis das mulheres não fumantes após alguns anos sem fumar.

 

Diagnóstico de ataques cardíacos em mulheres

Mulheres são mais propensas a sofrer atrasos em estabelecer o diagnóstico de ataque cardíaco do que os homens. Isto ocorre, em parte porque as mulheres tendem a procurar cuidados médicos depois que os homens, e em parte porque o diagnóstico de ataques cardíacos nas mulheres pode às vezes ser mais difícil do que o diagnóstico em homens. As razões são:

  1. As mulheres apresentam sintomas atípicos de ataque cardíaco, como dor no pescoço e ombro, dor abdominal, náuseas, vômitos, fadiga e falta de ar.
  2. Ataques do coração silenciosos (ataques cardíacos com poucos ou nenhum sintoma) são mais comuns entre mulheres do que entre os homens.
  3. As mulheres têm uma maior ocorrência de dor no peito que não é causada pela doença cardíaca, por exemplo, dor no peito causa da pelo espasmo do esôfago.
  4. As mulheres são menos suscetíveis do que os homens a ter os resultados típicos do ECG que são necessários para diagnosticar um ataque cardíaco rapidamente.
  5. As mulheres são mais propensas a desenvolver angina (dor no peito causada pela falta de fornecimento de sangue ao músculo do coração) que é causada por espasmo das artérias coronárias ou por doença dos pequenos vasos sanguíneos (doença microvasculatura). O cateterismo cardíaco com angiografia coronária (radiografias das artérias coronárias, que são considerados mais confiáveis para testes da CAD) revela artérias coronárias normais e portanto não pode ser usado para diagnosticar qualquer uma dessas duas condições.
  6. As mulheres são mais propensas a ter “falsos positivos” para os testes não-invasivos da CAD do que os homens.

 

Devido à natureza atípica dos sintomas e das eventuais dificuldades em diagnosticar ataques cardíacos nas mulheres, elas recebem com menor frequência os agressivos  tratamentos trombolíticos ou a angioplastia coronária, e acabam sendo tratadas mais tarde do que os homens. As mulheres também são menos suscetíveis a serem admitidas em uma unidade coronariana.

 

Tratamento de ataques cardíacos em mulheres

A terapia de trombolíticos (fibrinolíticos ou dissolvedores de coágulo) tem se mostrado eficaz na redução da morte por ataques cardíacos tanto em homens quanto em mulheres; no entanto, a complicação de derrames da terapia trombolítica pode ser ligeiramente maior em mulheres que em homens .

A angioplastia coronariana transluminal percutânea de emergência (PTCA) ou implante coronário de ataque cardíaco agudo é tão eficaz nas mulheres como nos homens, mas as mulheres podem ter uma taxa ligeiramente maior de complicações relacionadas ao procedimento em seus vasos sanguíneos (como sangramento ou coagulação no ponto de inserção do cateter de PTCA na virilha) e morte. O maior número de complicações foi atribuído à idade avançada das mulheres, ao tamanho menor da artéria, e à maior gravidade de angina. O resultado a longo prazo da angioplastia ou implante no entanto, é semelhante em homens e mulheres, e não deve ser suspenso devido a sexo.

A mortalidade imediata devido à cirurgia de revascularização do miocárdio (CABG) em mulheres é maior do que nos homens. A maior taxa de mortalidade imediata foi atribuída à idade avançada das mulheres, ao tamanho menor da artéria, e à maior gravidade de angina (o mesmo que para PTCA). Sobrevivência a longo prazo, a taxa de ataque cardíaco e / ou necessidade de reoperação, no entanto, são semelhantes em homens e mulheres após a CABG.

 

Estrógeno e doença coronária nas mulheres

Após a menopausa, a produção de estrógeno pelos ovários reduz gradualmente com o passar dos anos. Junto à essa diminuição, existe um aumento no LDL (colesterol “ruim”) e uma pequena redução no HDL (colesterol “bom”). Acredita-se que essas mudanças nos níveis lipídicos são uma das razões pelo aumento do risco de desenvolvimento da CAD após a menopausa. Mulheres que tiveram seus ovários removidos cirurgicamente (ooforectomia) ou que sofrem de menopausa precoce também têm um risco de aceleração da CAD.

Dado que o tratamento com estrógeno resulta em elevados níveis de HDL e menores níveis de LDL, os médicos acreditaram por muitos anos que o estrógeno iria proteger as mulheres contra a CAD (bem como proteger contra a demência e o acidente vascular cerebral). Muitos estudos descobriram que as mulheres em fase de pós-menopausa que tomam estrógenos têm menores taxas de CAD do que as mulheres que não o fazem. Infelizmente, muitos desses estudos eram observacionais (estudos em que as mulheres são acompanhadas ao longo do tempo, mas que decidem por conta própria se irão ou não tomar o estrógeno). Estudos observacionais têm deficiências graves, porque eles estão sujeitos a viés de seleção; por exemplo, mulheres que optam por tomar o estrógeno podem ser mais saudáveis e ter um menor risco de ataques cardíacos do que aquelas que optaram por não tomar. Em outras palavras, alguma coisa nos hábitos diários das mulheres que tomaram estrógeno (como exercícios físicos ou uma dieta mais saudável) pode as ter tornado menos propensas a desenvolver ataques cardíacos. Portanto, somente um ensaio randomizado (um estudo em que as mulheres concordam em tomar ou o estrógeno ou placebo uma pílula de açúcar de forma aleatória, desconhecendo o que tomaram até ao final do estudo) é possível estabelecer se a terapia hormonal após a menopausa pode evitar a CAD.

 

Resultados HERS

O Heart and Estrogen/progestin Replacement Study (HERS) (Estudo de Reposição do Coração Estrógeno / progestina), foi um estudo randomizado, controlado de avaliação dos efeitos do uso diário de estrógenos e progestina (medroxiprogesterona) sobre a taxa de ataques cardíacos em mulheres na pós-menopausa que já tiveram CAD.

O estudo HERS não encontrou uma redução de ataques cardíacos em mulheres que fizeram a terapia hormonal. Esta falta de benefícios na prevenção de ataques cardíacos ocorreu apesar de uma LDL 11% menor e um nível de colesterol HDL 10% maior em mulheres tratadas com hormônios. O estudo também descobriu que mais mulheres no grupo de hormônios teve coágulos de sangue nas veias e doença da vesícula biliar do que mulheres no grupo tratado com placebo. (Coágulos de sangue nas veias são perigosos porque podem chegar até os pulmões e causar embolia pulmonar, uma doença com dor no peito, falta de ar, e até mesmo choque e morte.) No entanto, o aumento da doença da vesícula biliar e os coágulos de sangue entre usuárias saudáveis de estrógeno que não têm a doença cardíaca é muito pequena. Baseado nos resultados deste estudo, os investigadores concluíram que o estrógeno não é eficaz na prevenção da doença das artérias coronárias e em ataques cardíacos nas mulheres na pós-menopausa que já têm CAD. Deve-se notar, no entanto, que os resultados do estudo HERS aplicam-se apenas às mulheres que conheceram a CAD antes de iniciar a terapia hormonal, e não à mulheres sem doença coronariana conhecida.

 

Resultados WHI

O Women’s Health Initiative (WHI) (Iniciativa para a Saúde da Mulher)  foi o primeiro estudo randomizado e controlado desenhado para determinar os benefícios e riscos de longo-prazo do tratamento com estrógenos e medroxiprogesterona (progestina) em mulheres saudáveis na menopausa (mulheres sem CAD).

Os resultados foram relatados em uma série de artigos em 2002, 2003 e 2004. A parte do estudo que envolvia estrógeno + progestogênio teve que ser interrompido antes do previsto, depois de apenas 5,2 anos, porque o aumento de doenças coronárias, derrame e embolia pulmonar entre as mulheres que usaram estrógeno + progesterona ultrapassaram os benefícios de redução de fraturas ósseas e câncer de cólon. A parte do estudo que envolvia somente o estrógeno foi interrompido porque as mulheres que tomaram somente estrógeno não tiveram redução no risco de ataque cardíaco, mas houve um aumento significativo no risco de acidente vascular cerebral.

O aumento do câncer de mama tornou-se aparente após 3-5 anos, mas o aumento de doenças cardíacas e embolia pulmonar ocorreu logo no início, no primeiro ano.

 

Recomendações para o uso de estrógeno e progestogênio (progesterona) em mulheres

Editores Medicinenet médicos acreditam que:

  • A decisão sobre o uso da terapia hormonal deve ser individualizada, e todas as mulheres devem discutir com seus médicos que é melhor para ela.
  • Estrógenos + medroxiprogesterona (progestina) ainda é a melhor terapia para ondas de calor. Apesar do estudo do WHI, muitas mulheres continuam sendo boas candidatos para a terapia com estrógenos + medroxiprogesterona (progestina) (ou somente estrógeno, se tiveram histerectomia). Isto é especialmente verdadeiro se a terapia hormonal é limitada ao menor período de tempo, ideal sendo menos de 5 anos.
  • O estrógenos com ou sem medroxiprogesterona (progestina) não deve ser usado para prevenir ou tratar qualquer doença de Alzheimer, doença cardíaca ou derrame.
  • Apesar da terapia estrógenos + medroxiprogesterona (progestina) ser eficaz na prevenção da osteoporose e de fraturas ósseas relacionadas, mulheres preocupadas com o risco de terapia hormonal devem discutir com seus médicos o uso de outras alternativas hormonais para prevenir e tratar a osteoporose.